A dermatite atópica do adulto

Sex, 13/02/2015 - 13:00
eczema atopique de l'adulte

Dr Daniel Wallach

A dermatite atópica não é apenas uma dermatose pediátrica. Embora ela comece quase sempre na infância, e muitas vezes antes dos dois anos de idade, nem todos os casos terminam antes da adolescência e da idade adulta. Estima-se que cerca de 10% dos pacientes continuam a sofrer de manifestações de eczema na idade adulta. Num certo número de casos, este eczema permanece preocupante e pode criar problemas difíceis [i], [ii].

A dermatite atópica do adulto é frequentemente uma dermatose grave. Trata-se de placas de eczema crónico, vermelhas, espessas e liquenificadas, apresentando às vezes pápulas isoladas de prurigo. Sobre este fundo de eczema crónico aparecem ataques agudos, vesiculosos ou exsudativos. O prurido é sempre intenso e repercute na vida do dia a dia, no estado moral, no sono e nas atividades. As localizações são diferentes daquelas da dermatite atópica infantil. As mãos, o rosto, especialmente as pálpebras, são as partes mais frequentemente atingidas, assim como as grandes dobras e, eventualmente, as outras regiões do corpo. Os acessos inflamatórios podem atingir a totalidade da pele. Fala-se então de eritrodermia. Esses acessos generalizados são graves, podem se complicar com infecções e perturbações metabólicas, e justificam uma hospitalização. 

 

[i] de Bruin Weller MS, Rockmann H, Knulst AC, Bruijnzeel-Koomen CA. Evaluation   of the adult patient with atopic dermatitis. Clin Exp Allergy. 2013 Mar;43(3):279-91.

[ii] Ellis CN, Mancini AJ, Paller AS, Simpson EL, Eichenfield LF. Understanding and managing atopic dermatitis in adult patients. Semin Cutan Med Surg. 2012 Sep;31(3 Suppl):S18-22.

 

dermatite atópica do adulto

Figura 1: O ataque das pálpebras é frequente na dermatite atópica do adulto. Trata-se de uma zona onde deve-se ser particulamente prudente no uso dos dermocorticoides. É necessária uma vigilância oftalmológica. As complicações são todavia muito raras.

 

dermatite atópica do adulto

Figura 2 : Dermatite atópica do rosto, com uma queilite importante.

Trata-se realmente de uma dermatite atópica?

Diante de um eczema do adulto, convém questionar se é uma dermatite atópica ou um outro tipo de eczema, ou então uma dermatose parecida com o eczema.

Se a doença data da infância, é associada a manifestações respiratórias atópicas, ou mesmo a alergias digestivas, se ela é típica clinicamente, sob a forma de eczema crónico espesso, liquenificado, tendo às vezes ataques exsudativos, pode-se considerar o diagnóstico como certo.

Mas, se o início é recente e se os sinais clínicos não são típicos, é preciso considerar a possibilidade de uma outra dermatose (eczema de contato, sarna, linfoma, entre outras). Para ajudar, pode-se recorrer a uma biopsia cutânea para afirmar o eczema, a uma dosagem dos IgE, a testes de contato para eliminar um eczema alérgico de contato, que voltaremos a abordar.

   

dermatite atópica do adulto

Figura 3: Homem de idade que abandonou todo tipo de tratamento por razões essencialmente psicológicas, eczema crónico liquenificado e fissurado.

dermatite atópica do adulto

Figura 4: Eczema crónico típico, com liquenificações quadriculadas, e ataque agudo exsudativo, possivelmente sobreinfectado.

Irritantes

A pele atópica é particularmente sensível e estímulos, aparentemente banais, podem desencadear crises de coceiras e ataques de eczema. É o caso dos irritantes, ou seja, certos produtos de higiene ou de tratamento como sabões ordinários ou desinfetantes. É aconselhado utilizar unicamente produtos destinados às peles atópicas, secas, sensíveis, e testar em si próprio a boa tolerância, começando, por exemplo, a utilizar numa zona limitada. Existem variações individuais que não se pode prever.

As roupas, os detergentes e os aditivos também devem ser objeto de precauções. O pulôver de lã com gola alta é um clássico provocador de prurido. A utilização de amaciante é recomendada, sem esquecer de enxaguar abundantemente após o sabão.

Alergias de contato

Quando uma dermatite atópica não reage bem ao tratamento, deve-se pensar na possibilidade de um eczema alérgico de contato acrescentado.

É um diagnóstico difícil, porque sobre um fundo de eczema crónico, o eczema de contato poderá passar despercebido, mas é um diagnóstico rentável porque se a causa de uma alergia de contato for eliminada, o eczema vai melhorar.

As principais causas de eczema alérgico de contato são: 

  • O níquel contido nos metais das bijuterias, das hastes de óculos, e particularmente dos telemóveis celulares;
  • Os conservantes (sobretudo as isotiazolinonas) dos lenços umedecidos, dos cosméticos, dos produtos de higiene;
  • Raramente outros componentes dos cosméticos como os perfumes, ou ainda certos filtros solares;
  • Os óleos essenciais de certos cosméticos ditos “bio”, o que não é absolutamente uma garantia de hipoalergenicidade;
  • Raramente as roupas;
  • Sapatos (cromo do couro, colas).
  • Mesmo os dermocorticoides podem ser alergisantes, e esta alergia é particularmente enganosa.

Quando há suspeita de uma alergia de contato, é aconselhado praticar patch-tests (testes de contato), ou testes da epiderme. Um patch-test positivo identifica seguramente o responsável por um eczema alérgico de contato. Mas o simples interrogatório, e uma medida de evicção, seguida eventualmente de uma reintrodução, também são muito rentáveis. 

 

Infecções

A dermatite atópica mantém uma relação especial com os micróbios que colonizam a pele, a chamada microbiota. O eczema exsudativo provoca um rompimento do equilíbrio normal entre as bactérias inofensivas (comensais) e as bactérias patógenas.

Os estafilococos dourados são responsáveis por infecções e são também associados aos acessos inflamatórios, mesmo que elas não estejam clinicamente sobreinfectadas. Assim, medidas anti-infecciosas são muitas vezes indicadas.

A infecção pelo vírus do herpes é muitas vezes particularmente grave nas pessoas atópicas, assumindo um aspecto pustulento e podendo deixar cicatrizes variceliformes ou mesmo varioliformes.

Um caso particular: a dermatite “cabeça e pescoço”.dermatite atópica do adulto

Nos atópicos adultos, foi individualizada uma forma específica de eczema, localizada de forma exclusiva ou predominante no rosto e no pescoço. Os anglo-saxões falam de “head and neck dermatitis”.

Diante de uma dermatite atópica “cabeça e pescoço”, convém procurar uma fotossensibilização, que é rara na dermatite atópica (ao contrário, muitas vezes o sol é benéfico) mas que às vezes se encontra: é preciso também desconfiar de uma fotossensibilização devida a certos medicamentos (anti-histamínicos).

Mas convém também investigar uma infecção por leveduras do tipo Malassezia, e eventualmente aplicar um tratamento antifúngico.

Figura 5: Aspecto típico do eczema crónico.

O tratamento é corretamente efetuado

Sabe-se que o tratamento padrão da dermatite atópica compreende:

  • medidas de higiene suave
  • um tratamento emoliente diário, cuja importância é considerável (creme hidratante de composição conhecida, com eficácia testada, de utilização agradável)
  • um tratamento anti-inflamatório tópico (dermocorticoides e às vezes tacrolimus) durante as crises e eventualmente a título preventivo das crises.

Este tratamento local não é fácil nem de compreender nem de aplicar e a sua prescrição deve ser acompanhada de medidas de informação e de educação, orais e escritas.

Este tratamento “standard” é muito eficiente, com a condição de ser bem aceito, bem compreendido e bem efetuado.

Assim, quando se fala de dermatite atópica resistente ao tratamento, antes de prever uma mudança de tratamento e de passar para tratamentos “pesados”, é melhor certificar-se que o tratamento está sendo corretamente efetuado.

Os riscos são múltiplos e o principal é uma má compreensão do interesse dos dermocorticoides. É preciso então certificar-se que o paciente aplica corretamente as quantidades necessárias (num adulto em período de crise pode ser até 100 g por mês de um dermocorticoide forte), depois diminui progressivamente para manter o bom resultado com um baixo consumo de dermocorticoide. É difícil ser ainda mais preciso pois isso depende dos pacientes, da superfície atingida, do estado clínico, mas o principal é ter um bom resultado clínico e um baixo consumo de anti-inflamatório. A utilização diária abundante de um emoliente eficaz, bem tolerado, e agradável de utilizar é um precioso complemento para obter este resultado.

Demonstrações práticas, ou mesmo sessões de educação terapêutica no âmbito de workshops da atopia, são particularmente úteis. Da mesma forma, uma curta hospitalização, ou até uma hospitalização diurna, podem transformar completamente a evolução de uma dermatite atópica. Os pacientes podem assim aprender bem as técnicas de tratamento, como por exemplo em caso de aplicações sob oclusão (filmes plásticos) indicadas nas lesões espessas.

A situação é suficientemente grave para justificar um tratamento geral?

Apesar de tudo, ainda existem casos, e situações, em que este tratamento não é suficiente, onde o SCORAD permanece elevado, onde o eczema repercute dolorosamente sobre o estado moral e sobre as atividades quotidianas, e onde é preciso fazer mais [i].

[i] Simon D, Bieber T. Systemic therapy for atopic dermatitis. Allergy. 2014 Jan;69(1):46-55.

 

Fototerapias

Muitas vezes é proposta então uma fototerapia[i] . O princípio das fototerapias é expor os pacientes a raios ultravioletas, que têm uma ação anti-inflamatória sobre a pele, além da sua ação pigmentógena bem conhecida. No caso da dermatite atópica, utiliza-se os UVB, ou então a associação de UVA e de UVB, em vez da clássica PUVAterapia. Uma primeira série de umas vinte sessões em 6 a 8 semanas já dá bons resultados e pode-se em seguida espaçar as sessões. Essas fototerapias praticadas por dermatologistas especializados são bem diferentes das “cabines de bronzeamento”, que são desaconselhadas.  

[i] Garritsen FM, Brouwer MW, Limpens J, Spuls PI. Photo(chemo)therapy in the management of atopic dermatitis: an updated systematic review with implications for practice and research. Br J Dermatol. 2014 Mar;170(3):501-13.

 

Tratamentos medicamentosos gerais

Os corticoides por via oral, os imunossupressores, têm uma boa eficácia na dermatite atópica. Mas são medicamentos que, quando utilizados durante um período longo, expõem a efeitos secundários que podem ser mais graves do que a própria doença.

Os corticoides orais, de opinião geral, são realmente contraindicados na dermatite atópica pois os efeitos secundários, a córtico-dependência, são inevitáveis. Além disso, atualmente, com uma corticoterapia local forte, pode-se obter resultados imediatos tão bons quanto com os orais.  

A ciclosporina pode ser indicada nos raros casos de dermatite atópica particularmente grave. A dose habitual é em torno de 2 a 3 mg/kg/d [i]. Convém controlar atentamente a pressão arterial e a função renal, assim como as constantes biológicas standard. O tratamento só será prescrito durante alguns meses e é preciso, desde o início, se preparar a gerir a fase “pós-ciclosporina” retomando com assiduidade o tratamento standard. A ciclosporina permite assim “passar uma etapa” mas não, infelizmente, curar definitivamente a DA, objetivo atualmente inacessível.

O metotrexato[ii] é preferido à ciclosporina por certos prescritores, e por certos pacientes. A dose habitual é em torno de 15 mg por semana, por via oral ou parentérica. A vigilância é essencialmente hepática. Neste caso, pode-se também prever alguns meses de tratamento para passar uma etapa de ataque intenso, antes de retomar o tratamento standard.

Outros imunossupressores, como a azatioprina, podem também ser utilizados. A experiência é no entanto mais limitada.    

[i] Schmitt J, Schmitt N, Meurer M. Evaluation Cyclosporin in the treatment of patients with atopic eczema - a systematic review and meta-analysis. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2007 May;21(5):606-19.

[ii] Deo M, Yung A, Hill S, Rademaker M. Methotrexate for treatment of atopic dermatitis in children and adolescents. Int J Dermatol. 2014 Aug;53(8):1037-41.

  

Na ponta da investigação

Vemos que o tratamento da dermatite atópica, especialmente das formas graves do adulto, não é satisfatório.

É por isso que as investigações continuam, e pode-se esperar que novos tratamentos serão brevemente disponíveis, ao mesmo tempo mais eficazes e de utilização segura.

Recentemente, foi mostrado que um anticorpo monoclonal dirigido contra as interleucinas 4 e 13, que são mediadores importantes da inflamação atópica, era capaz de melhorar a dermatite atópica[i], como também certas asmas. Mas não se trata, aparentemente, de um tratamento “milagre”. É, provavelmente, uma nova maneira de atravessar uma etapa difícil.  

 

[i] Beck LA, Thaçi D, Hamilton JD, et al. Dupilumab treatment in adults with moderate-to-severe atopic dermatitis. N Engl J Med. 2014 Jul 10;371(2):130-9.

Descargar em pdf :

Icône PDFdermatite-atopica-do-adulto-dr-wallach.pdf

Referências

[1] de Bruin Weller MS, Rockmann H, Knulst AC, Bruijnzeel-Koomen CA. Evaluation   of the adult patient with atopic dermatitis. Clin Exp Allergy. 2013 Mar;43(3):279-91.

[2] Ellis CN, Mancini AJ, Paller AS, Simpson EL, Eichenfield LF. Understanding and managing atopic dermatitis in adult patients. Semin Cutan Med Surg. 2012 Sep;31(3 Suppl):S18-22.

[3] Simon D, Bieber T. Systemic therapy for atopic dermatitis. Allergy. 2014 Jan;69(1):46-55.

[4] Garritsen FM, Brouwer MW, Limpens J, Spuls PI. Photo(chemo)therapy in the management of atopic dermatitis: an updated systematic review with implications for practice and research. Br J Dermatol. 2014 Mar;170(3):501-13.

[5] Schmitt J, Schmitt N, Meurer M. Evaluation Cyclosporin in the treatment of patients with atopic eczema - a systematic review and meta-analysis. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2007 May;21(5):606-19.

[6] Deo M, Yung A, Hill S, Rademaker M. Methotrexate for treatment of atopic dermatitis in children and adolescents. Int J Dermatol. 2014 Aug;53(8):1037-41.

[7] Beck LA, Thaçi D, Hamilton JD, et al. Dupilumab treatment in adults with moderate-to-severe atopic dermatitis. N Engl J Med. 2014 Jul 10;371(2):130-9.

Ilustrações : Club Dermaweb/ Dr Daniel Wallach